Envie agora seu recado!

200
caracter(es) restante(s)

Notícias

Cartão vermelho do presidente não foi para mim, diz Paulo Guedes
15 de setembro de 2020 às 14:39
Cartão vermelho do presidente não foi para mim, diz Paulo Guedes
Paulo Guedes: a desistência do programa reforça o compromisso do governo com o teto de gastos Foto: Marcos Corrêa

O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que a desistência da criação do programa Renda Brasil foi decisão política tomada pelo presidente Jair Bolsonaro. "É uma opção política do presidente que também tomou a decisão de estender o auxílio [emergencial] até o fim do ano", afirmou o ministro em live promovida pelo Sinditelebrasil.

Segundo o ministro, também caberá a Jair Bolsonaro a decisão sobre o fim do programa do auxílio emergencial a partir de janeiro. Agora, após o fim do programa, os beneficiários devem voltar a receber recursos de assistência social pelo Bolsa Família.

O ministro fez questão de esclarecer que o cartão vermelho mencionado pelo presidente em discurso na manhã desta terça-feira, não foi para ele. "Ele reafirmou que não vai tirar dinheiro do pobre para passar pro mais pobre. Levantou o cartão vermelho, mas cartão vermelho não foi para mim, esclarecendo para todos", disse.

Para Guedes, a "má interpretação" sobre o financiamento do programa foi uma "barulheira", uma vez que a proposta ainda estava sendo estudada.

"Por exemplo, se desindexarmos todos os gastos, há uma parte que pega os mais vulneráveis como idosos que têm BPC; aí você fala que o governo está tirando dinheiro dos mais frágeis para fazer o Renda Brasil. Não é isso que estava no pacto federativo, era uma desindexação de todos os gastos", acrescentou.

Na visão dele, a desistência do programa reforça o compromisso do governo com o teto de gastos. "O presidente reafirmou o conceito de responsabilidade fiscal. Ele abre mão de ter um programa se, primeiro, tiver que ser irresponsável fiscalmente, e segundo, não vai tirar do pobre para dar para os mais pobres. Uma afirmação cristalina: acabou o Renda Brasil".

Durante a fala, o ministro ainda deu a entender que a proposta do pacto federativo poderá desindexar outras despesas que não sejam destinadas aos mais idosos e à população mais vulnerável. "Ele (Bolsonaro) disse que pode desindexar tudo menos o dinheiro dos mais pobres", comentou.

Na avaliação dele, ao promover a desindexação e a desvinculação dos orçamentos, o pacto federativo vai devolver o poder de gestão à classe política. "O Congresso brasileiro tem a responsabilidade de reassumir o comando sobre os recursos e orçamentos públicos".
 

Fonte: CNN Brasil