Envie agora seu recado!

200
caracter(es) restante(s)

Notícias

Em pronunciamento na TV, Bolsonaro pede reabertura de comércio e escolas e fim do 'confinamento'
24 de março de 2020 às 21:19
Em pronunciamento na TV, Bolsonaro pede reabertura de comércio e escolas e fim do 'confinamento'
O presidente Jair Bolsonaro grava pronunciamento sobre coronavírus (Foto: Reprodução/Twitter)

O presidente Jair Bolsonaro pediu, em pronunciamento em rede nacional de televisão e rádio exibido na noite desta terça-feira, a reabertura do comércio e das escolas e o fim do "confinamento em massa". As medidas têm sido utilizadas no combate ao novo coronavírus, que já deixou 46 mortos no país. Este foi o terceiro pronunciamento sobre o tema realizado em um período de menos de 20 dias.

 
— Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa. O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o das pessoas acima de 60 anos. Então, por que fechar escolas? — questionou Bolsonaro.
 
O presidente afirmou que o coronavírus "brevemente passará" e afirmou que a vida "tem que continuar":
 
— O vírus chegou. Está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos, sim, voltar à normalidade.
 
De acordo com Bolsonaro, são "raros" os casos de vítimas fatais entre pessoas com menos de 40 anos "sãs":
 
— Raros são os casos fatais de pessoas sãs com menos de 40 anos de idade. Noventa por cento de nós não teremos qualquer manifestação caso se contamine. Devemos sim é ter extrema preocupação em não transmitir o vírus para os outros, em especial aos nossos queridos pais e avós.
 
No primeiro pronunciamento sobre o tema, realizado no dia 6 de março, Bolsonaro afirmou que não havia motivo para "pânico" e que o momento era de união.
 
A segunda fala sobre o tema foi realizada na semana seguinte, no dia 12 de março. O presidente recomendou o adiamento de manifestações que estavam marcadas para o domingo seguinte, devido à recomendação para evitar aglomerações. O próprio Bolsonaro, contudo, acabou participando dos protestos.
 
 

Fonte: O Globo