Educação
Eliane Ristow, secretária de Educação, de Santo Antônio das Missões, fala sobre retorno as aulas na rede municipal de ensino
22/02/2021 15:52
Foto: Lucia Lopes | Rádio Fronteira Missões 89,1FM

Participou do programa Conversa Aberta, na edição desta segunda-feira (22), a secretária de Educação, Eliane Ristow, falando sobre o retorno das atividades escolares no município, também sobre o ensino híbrido e sobre a prevenção a Covid-19 nas escolas.

Sobre os planos de retorno do ano letivo, Eliane contou que os primeiros passos foram dados ao fazer o planejamento, em seguida houve uma reunião com todos os diretores das escolas, com a participação da secretária da Saúde, Arriete Pereira, para ajudar na elaboração do retorno e orientar os diretores. Eliane relatou algumas das orientações recebidas, como a ocupação das salas de aula, que antes por decreto estadual eram de 50% da ocupação, e que agora é exigido apenas o distanciamento mínimo de 1,5m.

Quanto ao plano de ação municipal, Eliane refletiu que como o cenário mudou frente ao enfrentamento da pandemia, então é necessário que se façam adaptações e que a comunidade seja sempre informada por meio de vários meios de comunicação, pois estamos vivendo algo que nunca foi vivido, são dias diferentes, então o planejamento pode mudar a cada dia, pensando sempre na segurança dos professores, dos alunos, da comunidade escolar e das famílias.

Atualmente o planejamento do ano letivo está da seguinte forma: Nos dias 25 e 26 de fevereiro haverá formação de professores nas escolas, onde a secretária de Saúde participará também, por meio de vídeo, as direções das escolas farão estudo das portarias conjuntas e notas informativas da secretaria de Educação e do Governo estadual e todos os documentos que tratam do enfrentamento da pandemia, no que tange ao retorno as aulas.

A primeira semana de aula está programada para acontecer de 1º a 5 de março, nesta primeira semana, os pais serão chamados nas escolas para reuniões em pequenos grupos, para que recebam as explicações e orientações sobre esse possível retorno de forma presencial, e assinar o termo de consentimento livre, se o filho irá ou não retornar, e caso os pais optem pelo não retorno, o aluno ainda terá o acesso às atividades, de forma remota.  Também serão orientados sobre o uso correto dos EPI’s (equipamentos de proteção individual).

As escolas irão se organizar conforme o número de alunos, e os professores e funcionários também receberão capacitação sobre o uso correto dos EPI’S e a forma de se trabalhar durante as aulas presenciais, principalmente os envolvidos no preparo e distribuição da refeição escolar conforme o guia do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e os serventes terão capacitação sobre a higienização, que precisa ser feita a cada 3 horas, desde a maçaneta da porta e corrimãos a sala de aula, bem como os motoristas que serão instruídos sobre a forma correta de transportar os alunos, higienização do carro, aferição de temperatura...

Do dia 8 de março em diante, haverá grupos de alunos organizados nas escolas, com 3 horas de aula por turno, das 8h30min às 11h30min na manhã e das 13h15min às 16h15min, na tarde. Em nenhum turno não haverá recreio e as atividades de educação física na quadra estão suspensas, apenas aulas teóricas, os alunos deverão levar seu material de uso próprio (copo, garrafinha de água, lanche...) e será proibido que estes sejam compartilhados com os colegas. As escolas de educação infantil funcionarão em dois turnos, não mais de forma integral, as turmas serão divididas em dois grupos, aonde cada grupo irá em um turno. O transporte escolar será disponibilizado apenas para levar os alunos em cada turno e os pais ou responsáveis irão buscá-los, pois não é possível o transporte de ida e volta, pelo tempo e pela falta de veículo. E pede que os pais evitem entrar nas dependências da escola.

A secretária salientou que é apenas um planejamento, e que algumas coisas podem mudar conforme o cenário da pandemia.

Eliane explicou para os ouvintes, que as escolas precisaram elaborar um COE (centro de operações emergenciais) que é um plano de contingência para conter o covid-19 na escola, e controla o fluxo de alunos, quantidade de alunos nas salas, revisa a parte da higienização, orienta os alunos sobre os EPI’s, que são máscaras e luvas e para os funcionários o uso de jalecos, principalmente na educação infantil, a demarcação dos espaços e a fiscalização, o prazo para o envio dos COE’s para a secretaria era o dia de hoje, para que fossem estudados e aprovados.

Mas mesmo sem a aprovação dos COE’s, os protocolos de segurança das escolas já estão sendo implementados, e foi pedido para a Infraestrutura que organizasse a parte física das escolas, como por exemplo, retirar os bebedouros que não são permitidos, também foi feito o pedido de mais materiais como álcool em gel, luvas e máscaras. Eliane esclareceu que no ano passado veio verba para as escolas para o enfrentamento da pandemia mas que algumas escolas receberam e outras não, então esse material será destinado as escolas que não receberam ainda o material, explicando que na pasta da Educação não existe verba destinada ao enfrentamento da pandemia, que existe uma verba que veio do MEC, via secretaria da Saúde, em torno de R$49000,00, mas que esse dinheiro não era apenas para as escolas municipais, e que foi dividido entre todas as escolas da cidade, incluindo as estaduais.

Disse também, que todo esse planejamento foi pensado para o ensino híbrido, quando uma semana um grupo virá na escola, na próxima semana vira outro grupo, ou seja, uma semana na escola e outra em casa, seguindo o modelo que será adotado pela maioria dos municípios, mas finalizou enfatizando novamente que é uma questão de tentativa, de avanço, que se der certo, ótimo, mas se por algum motivo não for possível seguir, se recua, a prioridade é a saúde e a segurança dos envolvidos no retorno.

Autor: Lucia Lopes

Fonte: Rádio Fronteira Missões 89,1FM

Mais notícias - Educação